Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

28
Set14

O Seguro morreu de velho

por O Arrumadinho

Quem me lê sabe o que penso do António José Seguro enquanto político. Desde o dia em que se tornou líder do PS até hoje não houve um só momento em que me fizesse sentir que existe dentro dele qualquer coisa de transcendente, de meritório, de aspiracional. Nada. Sempre o achei absolutamente banal, vazio de conteúdo, sem capacidade de liderança e sem preparação e estofo para liderar o partido. Nunca me passou pela cabeça que pudesse chegar às legislativas. Tinha a convicção profunda que a máquina do PS — que seguramente sentia o mesmo que eu — não permitiria que isso acontecesse. O tempo deu-me razão.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:40

21
Set14

Curso de blogues no Porto

por O Arrumadinho

Foi com grande alegria que encontrei, na quinta-feira, a sala cheia para o primeiro curso de blogues que comecei a dar na nova escola de comunicação Palavras Ditas. Todos os lugares ficaram preenchidos, e já há pessoas inscritas para a segunda edição, que ainda não tem data, mas que deve acontecer ainda este ano. 

 

Surpreendentemente, pelo menos para mim, vários dos inscritos não têm blogues, e querem começar um em breve, procurando fazê-lo logo à partida sem cometerem aqueles erros básicos, que dão logo um ar bastante amador, e afastam leitores e marcas. Também há vários participantes que têm blogues e que procuram melhorar os conteúdos, a forma, a escrita, o design e, consequentemente, o impacto que os seus espaços têm junto dos leitores.

 

Logo na primeira aula, em que discutimos a importância de um nome para o sucesso de um blogue, deixei um trabalho para casa: criámos um blogue conjunto entre todos os participantes do curso, e, enquanto as aulas decorrerem, todos o irão alimentar e alterar da forma que entendam ser a melhor e mais correta. Em breve mostrarei aqui a nossa obra de arte.

 

Aproveito para deixar aqui um desafio. Tenho recebido imensos comentários e mails de gente do norte que lamenta que o curso não seja no Porto (ou em Braga). A única razão para o fazermos em Lisboa tem a ver com o facto de a escola ser em Lisboa. Ainda assim, discuti o assunto com o diretor da Palavras Ditas, o Nuno Azinheira, e ele deixou em aberto a possibilidade de fazermos um curso no Porto, mas num formato diferente: mais intensivo, e ao fim-de-semana. Assim, peço a quem esteja interessado em fazer este curso no Porto que me envie um mail para eu reunir o número de interessados, e comunicar à Palavras Ditas. O curso seria no fim-de-semana nos dias 23, 24 e 25 de Outubro, com o seguinte horário: 23, das 19h às 22h; 24 e 25, das 10h às 13h30 e das 14h30 às 18h30. Deixo uma data alternativa: 20, 21 e 22 de Novembro.

Enviem-me então um mail para oarrumadinho@gmail.com e digam-me que se querem inscrever e qual a data que preferem. Eu irei juntar todos os interessados e ver com a escola se o número de inscritos é suficiente para que seja dado o curso no Porto.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:56

É já esta quinta-feira, dia 18, que começa o primeiro curso de blogues na recém criada escola de Comunicação Palavras Ditas, fundada no início deste mês pelo jornalista Nuno Azinheira, que contratou como formadores pessoas como Teresa Guilherme, Daniel Oliveira, Nuno Santos, Ricardo Costa, António Tadeia, Nuno Artur Silva, José Carlos Malato, Francisco Sena Santos ou o novo diretor do "Diário de Notícias", André Macedo. Como já aqui disse tive o privilégio de ter sido convidado para orientar esta formação de blogues, de 25 horas, que tem por objetivo orientar todos os que querem escrever um blogue, torná-lo mais relevante, com mais visitas, mais bem escrito, orientado e até com capacidade para gerar dinheiro. Estar ao lado de tanta gente ilustre da área da comunicação é algo que me enche de orgulho e motivação, mas também que me aumenta a responsabilidade para esta formação.

 

Muita gente tem a noção de que escrever um blogue não custa nada, que é uma coisa simples, que basta debitar umas palavras, colocar para lá umas fotos e pronto, toda a gente vai ler. Pois, não é nada disso. Ou melhor, sim, com maus textos, más fotos e más abordagens também se faz um blogue, mas um mau blogue, um blogue que ninguém vai querer ler ou seguir, um blogue irrelevante e vazio. A ideia deste curso é, precisamente, a de levar os alunos a descobrirem um caminho para chegarem mais facilmente aos leitores. Isso faz-se com técnica de escrita, com criatividade, com trabalho, mas sobretudo com muita orientação.

 

Ao longo do curso - às terças e quintas-feiras, entre as 19h e as 22h, em Lisboa - irei procurar passar ideias gerais a todos, mas também acompanhar cada um dos participantes, tentar entender a mensagem que querem passar e procurar ajudar a fazê-los crescer os seus blogues. Como ainda não conheço os participantes inscritos, não sei se têm blogues ou se apenas querem vir a ter um, mas a ideia será a de procurar analisar o que já fizeram, identificar cada erro em cada post, no design, no tipo de escrita, na relação com as redes sociais, com a comunidade de leitores, e, assim, levar a que todos possam corrigir esses erros e sair do curso com um blogue mais eficaz e com muito mais potencial. Por outro lado, irei convidar alguns dos mais importantes e influentes bloggers nacionais para passarem por lá um dia para contarem as suas experiências e falarem um pouco sobre como conseguiram alcançar um público tão grande.

 

Um blogue é, hoje, uma ferramenta de comunicação com um poder imenso, e ainda muito subvalorizada em Portugal. Nos Estados Unidos, em França ou Inglaterra, por exemplo, há mais de 100 bloggers mais influentes do que muitas revistas, altamente respeitados pelos leitores, pelas marcas, pessoas que ditam leis com o que escrevem, que obrigam espaços ou marcas a alterar rotinas ou produtos porque eles não gostaram deles. Por cá, o caminho será necessariamente esse, e a blogosfera continuará a crescer todos os dias, mas de uma coisa tenho a certeza: apenas os bons blogues irão continuar. Todos os outros acabarão por morrer, precisamente porque são apenas réplicas em mau do que já existe, não trazem nada de diferente ou criativo, sobretudo porque quem os escreve não domina as ferramentas mais básicas de comunicação.

 

Se quiserem discutir tudo isto comigo, já sabem, é só inscreverem-se no curso. Bem sei que faltam dois dias, mas penso que ainda há uma ou duas vagas para este primeiro curso. O segundo acontecerá mais para final do ano, início de 2015 - as datas ainda não estão fechadas. Se ainda quiserem entrar nesta vaga, tentem enviar um mail para geral@palavrasditas.pt ou liguem para o 213 540 542. Se quiserem saber mais sobre a composição do curso, podem ir aqui. Uma dica: se quando enviarem o mail referirem que chegaram ao site através do blogue terão um desconto de 10 por cento no curso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:02

08
Set14

Antes do jantar:

 

Ela - O que é o jantar?

Eu - Vou fazer bacalhau.

Ela - Bacalhau como?

Eu - É parecido com bacalhau à brás, mas mais saudável.

Ela - Mas eu gosto é à brás.

Eu - Sim, é parecido.

Ela - Mas eu não gosto.

Eu - Como é que sabes que não gostas se não sabes como é, e se é parecido com bacalhau à brás.

Ela - Porque à brás é melhor.

Eu - O facto de ser melhor não quer dizer que da forma como eu o vou fazer não seja bom.

Ela - Mas não é à brás.

Eu - Não. Mas é mais saudável.

 

Ao jantar:

Ela (a remexer no prato com o garfo e a fazer um ar enjoadinho) - O que é que isto leva?

Eu - Só coisas de que gostas. Quase tudo saudável.

Ela - Isto é alho francês?

Eu - Sim.

Ela - Eu gosto é de batatas fritas.

Eu - Mas não gostas de alho francês?

Ela - Eh... E mais?

Eu - Tomate, cenoura, bacalhau desfiado, umas azeitonas laminadas, um bocadinho de presunto e de queijo.

Ela - E isto é saudável? Com bacon? 

 

Uma pessoa bem tenta, mas quando elas metem uma coisa na cabeça têm de ter razão. Dê por onde der.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:08

04
Set14

A Nôno

por O Arrumadinho

Confesso que despertei tarde para o drama da Nonô. Quando parei para tentar perceber quem era a criança de que todos falavam à minha volta, já o caso era de domínio público. Fui então perceber melhor os contornos de todo este drama e, como quase toda a gente, comovi-me com a luta daqueles pais, com o sorriso permanente da criança e a forma inocente e feliz como ela vivia os seus dias, apesar de tudo o que lhe estava a acontecer.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:57



A minha segunda casa


Sigam-me


Os meus livros



Coisas mais antigas

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D




Sitemeter

Site Meter

Google Analytics



Blogs do SAPO