Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O que ela diz:
- Odeio o Dia dos Namorados. Só casalinhos a fazer coisas, as lojas cheias de corações, tudo pindérico, tudo horrível. É um dia que não me diz nada e que nem devia existir.

O que ela quer dizer:
- Eu acho isto tudo, mas isso não quer dizer que não me dês um presente, ou que ignores o dia. Ai de ti.

O que vai acontecer:
Não vai ter um presente. Mas pode ser que, a propósito da data, algo de surpreendente possa acontecer. Não quer dizer que seja no dia...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:54

31
Jan12
Ontem lá fui ver Os "Descendentes", mas foi só. A ideia de ver um segundo filme passou-me logo da mente assim que percebi os problemas que estava a ter só de tentar arrancar a lontra da esposa para fora de casa.
Já toda a gente sabe que os livros são sempre melhores do que os filmes, e "Os Descendentes" não é uma exceção. Só que neste caso, a adaptação tem uma falha bastante grave, já que anula um plot importante e que explica a existência de uma personagem.
Quem não viu o filme e quer ir ver, por favor, fique por aqui, já que me vou armar em spoiler.

Alguém percebe porque é que a personagem do Sid, aquele rapaz tolinho que é amigo das miúdas, anda com eles o tempo todo? Alguém percebe por que é que ele não tem de ir dormir a casa? Lá pelo meio do filme, ele conta que o pai morreu há uns meses, num acidente de carro. E é só. Isso justifica que a mãe não se preocupe com ele, que o deixe faltar às aulas, que não o obrigue a ir dormir a casa? Afinal, terá uns 17 ou 18 anos. E no filme nada disto é explicado. O rapaz aparece e vai ficando, dia após dia, tipo intruso. E sendo ele um perfeito anormal, sem o mínimo de tacto, o que é que o liga à Alexandra? Ela é gira e inteligente. Ele é feio e estúpido. Nada têm em comum. Então o que é que os une? O que é que os torna cúmplices? No filme, nada. No livro, esse plot tem uma explicação lógica. O Sid foi expulso de casa pela mãe, após a morte do pai, porque disse à mãe que a melhor coisa que lhes podia ter acontecido era o pai ter morrido. A mãe agride-o e expulsa-o de casa. O que o Sid não lhe conta é que o pai tentou violar-lhe a namorada. E não lhe conta porque não quer que a mãe guarde essa imagem do pai. Ela já está a sofrer pela morte dele, e ele não quer mexer mais nisso. Essa atitude dá-lhe uma dimensão que no filme ele nunca tem. Dá-lhe grandeza, humanidade, e, sobretudo, coloca a situação dele ao mesmo nível da da Alexandra. Ambos esconderam ao pai/mãe que está vivo uma coisa muito má que o pai/mãe que morreu/está a morrer fez. E daí nasce a cumplicidade entre ambos, daí nasce um elo fortíssimo, uma compreensão mútua que os une, e que nunca é explicada no filme.

No final, no livro, é Sid quem conta a Julie que o marido, Brian Speer, a andava a trair com a mulher que está a morrer no hospital. Como retribuição, Mark (Clooney) conta à mãe de Sid que o marido era um patife e que tentou violar a namorada de Sid. E a mãe perdoa ao filho e acolhe-o de volta em casa.

Quem vê apenas o filme fica com a ideia de que o Sid é apenas um pateta que serve para desanuviar o ambiente pesado. Isso tira dimensão ao filme e torna-o, a meu ver, até um bocadinho parvo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 11:30

30
Jan12

Os meus vícios de puto

por O Arrumadinho
Há dias escrevi um post em que falava do "Great Escape", um dos meus jogos preferidos do Spectrum. Houve muitos comentários saudosistas, de malta que partilhava este meu vício. E deu-me para a nostalgia, e tratei de recuperar alguns dos jogos que mais horas me ocupavam ali entre os meus 12 e 15 anos, altura em que troquei o Spectrum pelo Commodore Amiga.
Então, vejam lá se se lembram disto.


Decathlon

Era aquele jogo em que tínhamos de martelar nas teclas para que o nosso bonequinho conseguisse correr mais depressa. À conta do Decathlon acho que avariei o computador umas quantas vezes. E lembram-se do barulhinho do público a aplaudir? Era muito ridículo.


Full Throttle

Foi um dos primeiros jogos que tive. Era do mais básico que há - tipo High Noon ou Match Point -, mas com motas. As motas eram todas verdes e a nossa era a amarela. O mais divertido era o facto de se poder competir a sério, conquistando posições, o que, na altura, não acontecia com todos os jogos.

Combat School

Mais um jogo ao estilo "Decathlon" em que para acelerar os movimentos do boneco tínhamos de carregar rapidamente, de forma alternada, em duas teclas. Resultado: espatifava o computador todo. Aqui, tínhamos de ir cumprindo missões (flexões, saltar obstáculos, corridas de 100m) para podermos entrar numa escola do exército, ou coisa parecida. Os gráficos eram do melhor que havia na altura.

Match Day 2

Foi um dos jogos a que mais horas dediquei na minha infância. Era absolutamente ridículo, os bonecos eram gordos, lentos, monocromáticos, cabeçudos, os passes eram todos iguais, os remates também, os jogadores moviam-se todos à mesma velocidade, os golos entravam quase todos da mesma maneira, mas a verdade é que não havia muito melhor do que isto. E o Match Day 2 até foi um upgrade muito grande em relação ao 1, em que os bonecos nem saltavam.

Moon Alert

Aqui, o objectivo era andar com um carro lunar a saltar crateras e a explodir com pedras. Era muito básico, mas viciante. Tinha sempre o mesmo cenário e íamos conquistando terreno, que era assinalado pelas letras do abecedário. Acho que nunca cheguei ao fim. Mas tentei muuuuuitas vezes. 

Rambo

Outro dos que eu adorava. Éramos um Rambo sem ponta de estilo, que andava por um terreno imenso a dar tirinhos para matar os inimigos e a tentar encontrar armas mais poderosas. O mapa era altamente complexo (pelo menos na altura parecia), mas acho que cheguei ao fim do jogo.

R-Type

Este foi um dos jogos que comprei na versão Commodore Amiga (e a diferença nos gráficos era arrepiante). Ainda assim, o R-Type para Spectrum era talvez o melhor jogo de naves, com uma jogabilidade muito boa, com Bosses engraçados. Gostava muito disto.

Laser Squad

Sempre gostei de jogos de estratégia. O meu preferido era o Football Director 2, que era difícil como o caraças e estava sempre a pifar. Mas este Laser Squad proporcionou-me anos de divertimento. Era um jogo de estratégia militar, que consistia, basicamente, em ter duas equipas: uma defendia um alvo (um forte, uma casa, uma bomba) e a outra equipa tentava conquistar esse alvo, eliminando os defensores e destruindo esse mesmo alvo. Era perfeito para jogar a dois. Por norma, eu era uma equipa, o meu irmão mais novo era a outra. Um colocava os bonecos em posição defensiva, e o outro em posição ofensiva. E iamos jogando à vez, o que obrigava a que um e outro fossem saindo do quarto para não verem a jogada do outro. Também o comprei mais tarde para o Amiga, mas, estranhamente, não era tão divertido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:50

30
Jan12

Cinema, Oscares, Drive

por O Arrumadinho
Esta noite vou tentar aguentar-me numa sessão dupla de cinema, a ver se consigo ver o máximo de filmes nomeados aos Oscares. A única certeza é a de que irei ver "Os Descendentes". Quanto ao segundo filme, estou entre o "J. Edgar", o "Millenium", "A Minha Semana Com Marilyn" ou "Um Método Perigoso". É escolher um.

Mas já que falo de Oscares, a pergunta é: mas o que é se passou na cabeça dos senhores da Academia para terem ignorado um filme como "Drive"? Ao contrário de quase todos os outros nomeados, é uma obra de culto que será vista e revista por muitos anos, que passará de boca em boca, que voltará em sessões especiais de cinema de culto, que permanecerá com especial carinho nas prateleiras de DVD dos amantes de cinema. É, indiscutivelmente, o melhor filme que vi em 2011, tem um Ryan Gosling num papel maravilhoso, tem um argumento fortíssimo, uma fotografia incrível, uma banda sonora genial, enfim, tem lá tudo, mas, por alguma razão, os senhores da Academia entenderam que não, que não chegava.
Pronto, fica a minha indignação, que não valerá de muito, mas que poderá fazer com que mais meia-dúzia de pessoas vá até ao cinema ver este filme.


Ryan Gosling interpreta uma personagem fascinante

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 13:51

30
Jan12

O Vídeo

por O Arrumadinho
Para quem não teve oportunidade de ver o Combate de Blogues, na TVI24, entre O Arrumadinho e A Pipoca Mais Doce, aqui fica o link para o vídeo.
Espero que gostem.

http://www.tvi24.iol.pt/videos/informacao/video/13563747/1

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:27

Pág. 1/10




A minha segunda casa


Sigam-me


Os meus livros


Sigam-me no SAPO

foto do autor


Coisas mais antigas

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Google Analytics



SAPO Blogs