Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


10
Abr15

Há uns tempos comecei aqui a relatar a minha experiência na Maratona de Nova Iorque, em Novembro do ano passado. Comecei por falar da péssima preparação, da forma quase irresponsável como corri a Maratona de Lisboa um mês antes de ir para Nova Iorque e da satisfação que senti ao cortar a meta, mesmo não me tendo preparado decentemente para a prova. É nesse ponto que retomo a história.

 

 

14 km em 30 dias

Depois da Maratona de Lisboa percebi que o coração e a cabeça são, numa maratona, tão importantes quanto as pernas. Não treinei o suficiente, senti falta de força, mas consegui encontrar forças para chegar à meta sem ter parado, e para ter conseguido o meu melhor resultado naquela que é chamada de prova raínha do atletismo. Pela primeira vez, consegui baixar das 4 horas (3h58), o que foi uma segunda vitória para mim. 

Depois da prova de Lisboa, estive quase uma semana sem treinar, a recuperar a 100 por cento. Uma vez mais, tudo isto me apanhou numa fase da minha vida profissional que me absorvia por completo e me retirava o treino que eu precisava para treinar. Preparar uma maratona não é propriamente a mesma coisa que preparar uma corrida de 10 km. Obriga a treinos longos, de 15, 18, 20, 25, 30 quilómetros, que não se fazem propriamente em meia hora. E eu não tinha, no meu dia a dia, tempo para mais. Em vez de treinar o que podia, acabava invariavelmente por não treinar. Na minha cabeça, estavam no entanto os exemplos das duas maratonas anteriores, Paris e Lisboa, em que quase sem treinar consegui chegar ao fim, e sempre a melhorar as marcas.

Desta vez não foi diferente. Os dias passavam e eu sempre sem correr. Duas semanas antes da maratona, consegui fazer 10 km. Uma semana depois corri mais 4. E foi só. Corri 14 km entre a Maratona de Lisboa e a da Nova Iorque, no espaço de 30 dias. Uma vergonha.

Admito que estava com medo. Na véspera da prova, um sábado, houve uma corrida curta, de solidariedade, de 5 km, entre a primeira avenida e central parque, que fiz com a minha mulher. Chovia, estava frio. As previsões metereológicas apontavam para um dia seco na manhã seguinte, mas muito frio. No final desses cinco quilómetros sentia-me relaxado, mas muito inseguro, cheio de dúvidas sobre como me iria sentir no dia da corrida, a corrida mais importante da minha vida, e um sonho de muitos e muitos anos.

TO BE CONTINUED...

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:45


1 comentário

Sem imagem de perfil

De A Pipoca Arrumadinha a 11.04.2015 às 17:03

Muito preparação!

Comentar post




A minha segunda casa


Sigam-me


Os meus livros


Sigam-me no SAPO

foto do autor


Coisas mais antigas

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Google Analytics



SAPO Blogs